Citroën Aircross, sem perder o jeito

DSC_1206 (1448 x 972)

 

Às vezes, não é preciso mudar tanto para obter bons resultados. Foi o que aconteceu com o novo Citroën Aircross 2016, que agora só existe na versão aventureira. São quatro versões: duas mais simples, chamadas de Star e Live, que se diferenciam por terem o estepe dentro do porta-malas; e as mais equipadas, Feel e Shine, com a roda de emergência dependurada na traseira. No restante, todas têm a suspensão mais alta e o kit off-road, com molduras nos para-lamas e estribo falso.

Desenvolvido no Brasil, o grande diferencial do Aircross 2016 – ele só existe na América Latina – é a nova identidade que as modificações de estilo deram à frente para ficar com o visual global da marca. E ficou muito bom, como se pode ver nesta versão Feel do teste. São novos os faróis, mais estreitos, interligados pelo Chevron (símbolo da Citroën), dando um ar mais afinado à frente; as luzes diurnas em LED (só não tem na versão de entrada); a nova grade e o para-choque, com uma inclinação maior (23º) para evitar raspar em entradas de garagens ou lombadas.

Nas laterais, são as molduras dos para-lamas que ganharam um novo desenho, bem como as faixas e barras no teto. As rodas passam a ser de 16 polegadas, de aço na versão de entrada e em liga leve nas outras. A traseira ganhou um novo para-choque, lanternas com moldura preta e nova capa de estepe, nas versões que o carregam do lado de fora. Enfim, as modificações são poucas, mas pontuais, e deram um visual mais atual ao Aircross.

DSC_1195 (1448 x 972)
DSC_1212 (1448 x 972)
DSC_1244 (1448 x 972)
DSC_1240 (1448 x 972)
DSC_1249 (1448 x 972)
AIRCROSS_ALTA-8274 (1625 x 1084)
AIRCROSS_ALTA-8281 (1625 x 1084)
DSC_1233 (1448 x 972)

Internamente, também ganhou atenções. Tem novo painel pintado na cor do veículo, com saídas de ar quadradas – compondo o estilo que a Citroën batizou de “Squarcle” – e um quadro de instrumentos com um desenho simples e fácil de visualizar, formando um conjunto bonito. O revestimento dos bancos é em duas cores e agrada. Outra novidade é a central multimídia, com tela de 7 polegadas sensível ao toque, que traz como destaque as funções de espelhamento do smartphone, 16 GB para armazenar músicas e interação com aplicativos. Tem, ainda, as funções Bluetooth, som e computador de bordo. Pena que não tem GPS.

O acabamento, apesar do uso de muito material plástico, de uma maneira geral, é bem feito e agrada no visual, principalmente pelos bons arremates. O espaço interno continua grande e confere um conforto difícil de achar em um carro de seu tamanho. Cinco adultos se acomodam bem, inclusive no banco traseiro. A altura do teto, a largura da carroceria e a boa visibilidade em todas as direções, ampliam a sensação de conforto. Estranho é que, no meio do banco traseiro tem cinto de três pontos, mas falta o apoio de cabeça. Não dá para entender! E mais, por ser um carro com pretensões familiares, o porta-malas deveria ter mais de 403 litros.

 

Debaixo do capô

A mecânica também recebeu algumas afinações. Para adequar melhor o Aircross às nossas belas ruas esburacadas e cheias de lombadas, além de todos terem, agora, a suspensão mais alta, ela ganhou amortecedores com nova calibragem e uma barra estabilizadora mais fina na traseira, que permitem uma melhor filtragem das irregularidades. O resultado mostrou-se positivo. Além do Aircross encarar uma estrada de terra ruim com mais facilidade, ficou mais confortável, menos barulhento e sem interferir na boa estabilidade que é coerente com a proposta do veículo. Só a inclinação da carroceria, por causa da barra estabilizadora traseira mais fina, é que aumentou um pouco em curvas, mas nada que chegasse a atrapalhar o bom comportamento dinâmico do monovolume. Como é alto, não é recomendável abusar nas curvas. De qualquer maneira, deveria ter controles eletrônicos de tração e estabilidade de série.

Todas as versões passaram a ter direção com assistência elétrica do tipo regressiva. Mostrou-se leve em manobras, mas, em velocidade, deveria ter uma carga maior para não ficar tão sensível, reagindo ao mínimo toque no volante, o que dificulta um pouco sua manutenção em linha reta. Pelo menos, o volante do tipo esportivo, com base achatada e boa empunhadura, e o banco, que permite uma posição de dirigir correta, amenizam a situação.

Esta versão Feel tem motor 1.6 e câmbio manual de 5 marchas (o antiquado automático de 4 marchas é opcional). Como nas outras versões, perdeu 45 quilos de peso; o motor, com novos retentores, passou a usar um óleo de menor viscosidade; a relação do diferencial foi alongada em 5% e ganhou um indicador de momento ideal de troca de marchas no painel. São estes detalhes que influenciam na melhoria do consumo de combustível. Porém, no circuito metade cidade/metade estrada, as médias poderiam ter sido melhores: com gasolina chegou aos 10,3 km/l, enquanto que, com etanol, fez 7,3 km/l.

DSC_1230 (1448 x 972)
DSC_1265 (1448 x 972)
DSC_1300 (1448 x 972)

Quanto ao desempenho, sente-se um pouco o alongamento do diferencial, especialmente nas retomadas de velocidade com ele carregado, obrigando a algumas reduções de quinta para quarta para manter a média em subidas.  Mas, de uma maneira geral, os 122 cavalos e os 16,4 kgfm de torque com etanol do motor, acabam dando conta do recado e deixam o Aircross com uma boa agilidade.

Enfim, apesar de não ter grandes modificações, o Citroën Aircross tem uma nova cara que agrada e as evoluções que foram feitas se mostraram positivas. O melhor, porém, é que, com a racionalização, passou a ter uma boa relação custo/benefício, principalmente nesta versão Feel, com câmbio manual. Bem equipada de série (só a pintura metálica e a tela de 7” com detector de obstáculos traseiro são opcionais), é uma boa alternativa para aqueles que querem um veículo com cara de aventureiro e bem equipado, mas não têm verba para comprar um SUV compacto de nosso mercado.

 

Preços:

Aircross 1.6 Feel (manual)                                     R$ 59.990

Pintura metálica                                                      R$   1.390

Tela de 7” com detector de obstáculos               R$   1.400

 

Notas do Emilio para o Citroën Aircross.docx

Ficha Técnica Novo Citroën AIRCROSS 2015_2016_def

 

Fotos: Divulgação Citroën, Camila Camanzi e Emilio Camanzi

 

Para anunciar no Blog, entre em contato conosco através do e-mail carroscomcamanzi@carroscomcamanzi.com.br ou do formulário de contato do site e solicite nosso Mídia Kit.

Inscreva-se e receba nossa newsletter semanal

Seu nome:
E-mail:*
Digite os caracteres que você vê aqui:

8 comentários em “Citroën Aircross, sem perder o jeito

  1. Tenho um 2015 automático. O carroteiro é uma verdadeira LOBA. Faz 5.5 na cidade e 8.0 na estrada com gasolina. O manual é mais econômico. Porém, Aircross nunca mais.

  2. Tenho a versão Live 1.5 já a tres meses ,estou adorando o carro ! Achei muito honesta a sua avaliação e acho que para quem tem vontade de adquirir um carro de porte mais avantajado vale a pena conferir …

  3. Foi só eu ou mais alguém leu o texto com a voz do Emílio na mente?

    A Citroën deixou a Aircross mais interessante, gostei dessa opção de versões sem o estepe na traseira.

  4. Espera-se uma real melhora nestes modelos, felizmente alongaram o diferencial, já que os antigos em quinta a 120 km/h a rotação ia a 4000 rpm, mas o que se percebe nos motores citroen é o baixo torque, ao meu ver, ficaria mais econômico e prático a instalação de uma 6ª marcha, mantendo a relação do diferencial, o que manteria a agilidade no trânsito pesado das cidades mas com uma melhora no consumo na estrada. Contudo, a citroen necessita urgente melhorar no quesito qualidade, as peças internas batem e principalmente, diminuir o custo das manutenções, altíssimas por sinal, o que faz com que o carro não tenha a confiabilidade de um toyota e uma altíssima desvalorização

    1. Obrigado Flavio. Com certeza o Aircross ficaria melhor com esse câmbio de 6 marchas. Uma a mais sempre é bom… Um abraço

Deixe seu comentário: