O alemão já fala português

Golf brasileiro

Mais uma novidade, que não é tão novidade assim, vai chegar ao mercado brasileiro em fevereiro. É o Golf de sétima geração, que já não é mais importado, mas feito na fábrica que a Volkswagen tem em parceria com a Audi, em São José dos Pinhais, no Paraná.

Serão três modelos, Comfortline 1.6 MSI, Highline 1.4 TSI Flex e GTI 2.0 TSI. A novidade maior é a versão Comfortline, a mais barata, que perdeu o motor 1.4 turbo e recebeu o 1.6 aspirado de 120 cavalos, com etanol (110 com gasolina), com um câmbio manual de 5 marchas ou automático, com conversor de torque de 6 velocidades, que entra no lugar da automatizada de dupla embreagem. Logicamente, o desempenho fica aquém da versão 1.4 turbo. Segundo a Volkswagen, com esse motor, o Golf Comfortline é capaz de acelerar de 0 a 100 km/h em 10,4 segundos com o câmbio manual e em 11,6 com o automático, sempre abastecidos com etanol.

As modificações não param por aí. A suspensão traseira, tanto na Comfortline como na Highline, agora é do tipo interdependente, com os braços longitudinais ligados por uma barra de torção, no lugar do sistema independente multilink. São modificações iguais às que foram feitas no Audi A3 Sedan, com o qual o Golf divide a linha de montagem.

No caso do câmbio, a “involução” se deve ao fato de que a engenharia da Volkswagen não conseguiu resolver o problema de barulho na caixa de dupla embreagem, que ocorrem em pisos irregulares comuns no Brasil. Já a suspensão, mais simples, é um sistema que se adapta melhor às condições brasileiras de piso e permite que o carro fique mais alto do solo na traseira, principalmente quando está carregado, diminuindo a possibilidade de raspar o assoalho em lombadas. Para compensar, a versão vem com central multimídia com tela de 6,5 polegadas, sete airbags, controles de tração e estabilidade, além de bloqueio eletrônico do diferencial de série. E pode ser equipada, opcionalmente, com ar-condicionado automático de duas zonas e bancos com revestimento em couro.

ViewImage (2357 x 1128)

Na Highline, versão intermediária, as perdas foram as mesmas da versão Comfortline. O câmbio pode ser manual ou automático com conversor de torque e a suspensão traseira também é igual. Por outro lado, o motor 1.4 TSI, que agora é flex, ganhou 10 cavalos de potência quando abastecido com etanol (140 com gasolina), o que permite que faça de 0 a 100 km/h em 8,4 segundos. De série, além dos equipamentos da versão de entrada, já vem com sistema start/stop, ar-condicionado digital, bancos em couro, sensores de chuva e crepuscular, e luzes diurnas em LED. A versão com câmbio automático vem com aletas para as trocas de marchas sequenciais atrás do volante. Como opcional, pode ser equipado com faróis de xenônio e sistema de seleção do perfil de condução com quatro modos: Eco, Sport, Normal e Individual.

A versão GTI, que também é feita no Brasil, foi a que menos mudou em relação à versão importada. O motor continua o mesmo 2.0 TSI a gasolina, com injeção direta de combustível de 220 cavalos, que permitem que faça de 0 a 100 km/h em 7,2 segundos e chegue aos 237 km/h de velocidade máxima. O câmbio também é o mesmo DSG automatizado de dupla embreagem e seis marchas, com o qual vinha equipado, e a suspensão traseira, devido ao maior desempenho, foi mantida do tipo multilink. As novidades correm por conta de rodas com aro 18 polegadas e a possibilidade de equipá-lo com sistema de som da marca Fender.

Os modelos estarão nas concessionárias já no início de fevereiro. A versão Comfortline ficou mais barata, mas perdeu o motor 1.4 turbo, enquanto a Highline e GTI tiveram aumento de preço em relação aos modelos anteriores. Veja quanto custam e quanto custavam.

Os preços:

Golf Comfortline 1.6 (manual)                  R$ 74.590 (era R$ 76.790 com 1.4 TSI)

Golf Comfortline 1.6 (automático)           R$ 79.990 (era R$ 83.290 com 1.4 TSI)

Golf Highline 1.4 TSI (manual)                  R$ 91.290 (era R$ 85.790)

Golf Highline 1.4 TSI (automático)           R$ 96.690 (era R$ 92.290)

Golf GTI 2.0 TSI                                            R$ 117.690 (era 114.990)

 

Fotos: divulgação Volkswagen

2 comentários em “O alemão já fala português

Deixe seu comentário: