De terno e gravata na lama

Chevrolet S10 High Country – 2016

Se picape cabine dupla movida a diesel, aqui no Brasil, é sinônimo de veículo de luxo, a Chevrolet S10 High Country, nova versão lançada como modelo 2016, caiu como uma luva no mercado. A idéia veio dos Estados Unidos, onde a grife High Country é famosa na marca Chevrolet por identificar os utilitários superequipados e exclusivos.

Para ganhar o logotipo High Country, a equipe de design da GM do Brasil fez um bom trabalho. A S10 recebeu vários itens para diferencia-la da versão LTZ, até então a mais sofisticada. São novos os faróis agora com projetor, tem aplique no para-choque dianteiro, frisos cromados na base das janelas, estribos laterais, rodas de aro 18 polegadas com desenho exclusivo, rack no teto e um santantônio diferenciado. Formando uma peça única e que aumenta a altura da caçamba, além de ter uma capota marítima específica, ele compõe muito bem a traseira do veículo e chama a atenção por onde passa, já que todo o conjunto fica mais encorpado. A também exclusiva cor vermelha Chili usada para o lançamento, ajuda a torcer o pescoço de quem a vê passar na rua.

Para complementar a nova versão, o interior foi inspirado no do SUV Trailblazer. Assim, os bancos e o revestimento das laterais são em couro sintético em dois tons, marrom e preto, que dão um certo ar de sofisticação. O acabamento é bem feito, com arremates corretos. Mas, para um veículo de luxo, deixa passar detalhes que não poderia deixar de ter, como: a iluminação no espelho do para-sol do passageiro e a ausência dele no do motorista; não tem saídas de ar-condicionado para o banco traseiro; banco elétrico, só o do motorista; o volante não regula em profundidade; sem falar da ausência de sensores de chuva e crepuscular. E uma que não dá para entender: tem o cinto de três pontos no meio do banco traseiro, mas não tem o apoio de cabeça!

19_GM_S10_Highcontry_16_07_07_15 (1920 x 1080)

Mas, também tem coisas legais, como a câmera de ré e os sensores de estacionamento que ajudam na hora de manobrar os 5,35 metros de comprimento da picape; e os retrovisores externos, que recolhem eletricamente e permitem entrar em lugares mais estreitos. Sistema multimídia MyLink com GPS e DVD fazem parte do pacote.

O acesso aos bancos dianteiros, apesar da altura do solo, é bom, graças ao estribo e os pegadores nas colunas. Atrás, é um pouco mais difícil por causa da pequena abertura da porta e do vão que sobra para passar os pés entre a coluna central e o banco. Dentro, tem espaço para cinco adultos, mas o fim do console e o túnel central da transmissão atrapalham quem vai no meio do banco traseiro. E os mais de 1 mil litros de capacidade da caçamba, fazem com que não se tenha problemas com a bagagem de uma família em viagem de longas férias.

Dá e sobra

Na mecânica não há novidades. Por enquanto, a High Country só vem com o conhecido motor 2.8 turbodiesel, de 200 cavalos de potência e 51,0 kgfm de torque. Ou seja, potência e torque mais que suficientes para arrastar os 2.139 quilos da picape, com folga. E, mesmo quando está carregada, não se faz de rogada. Quem colabora, e muito, nessa tarefa é o bom câmbio automático de seis marchas. Com relações adequadas e engates rápidos, deixa o motor sempre no ponto exato para responder com rapidez. Tanto que faz de 0 a 100 km/h em 10,3 segundos e chega aos 180 km/h, limitados por conta do corte eletrônico, já que os pneus não suportam velocidades acima. No consumo, porém, foi apenas razoável. Chegou à média de 8,4 km/l no circuito cidade/estrada. Por ser diesel deveria ser melhor.

Dirigir a S10 requer um pouco de prática principalmente na cidade por causa de seu tamanho. A posição alta de dirigir facilita a vida, bem como os grandes espelhos retrovisores. Mas, tem horas que ela parece um peixe fora d’água, especialmente na hora de estacionar. Com as atualizações que foram feitas tanto na suspensão dianteira quanto na traseira, o conforto ao rodar melhorou bastante. Porém, quando está vazia, em pisos irregulares, ainda pula um pouco mais do que seria desejável. É o preço que se paga por querer fazer de um veículo que pode carregar até 1.011 kg de carga, em carro de passeio.

DSC_1886 (968 x 648)

Em contrapartida, na estrada é uma delícia. O bom espaço interno, o ar-condicionado, que dá conta do recado, e as melhorias feitas no isolamento acústico da cabine, que deixa a maior parte do barulho do lado de fora, a torna muito confortável. O único senão fica por conta do ruído do motor diesel que, por causa do “maior silêncio” interno, se torna mais “presente” e, depois de algum tempo, chega a incomodar.

Apesar de alta (1,91 m), até que ela se sai bem em curvas. Mas, de qualquer maneira é preciso ficar atento, já que a carroceria inclina mais do que o normal. Pelo menos, os importantes controles eletrônicos de estabilidade e tração que ajudam a “por a casa em ordem”, caso aconteça alguma coisa fora do normal, são de série.

Ah, e como tem tração 4×4, que pode ser engatada com ela andando, por meio de um botão no console, a High Country encara, com naturalidade, trechos de terra mais pesados, caso você precise enfrenta-los. Tem uma boa altura do solo, a suspensão copia bem o terreno e não maltrata tanto os ocupantes. Agora, se a situação for ainda mais difícil, possui a reduzida, acionada no mesmo botão, que a torna um verdadeiro off-road. Além do controle de tração no eixo traseiro, conta ainda com controle automático de velocidade em descida e auxiliar de partida em rampa, equipamentos que ajudam bastante no fora de estrada, principalmente em aclives e declives escorregadios.

DSC_2001 (968 x 648)

Enfim, com um visual que agrada e um acabamento, em geral, que a deixa com um ar mais sofisticado, a S10 High Country é uma boa pedida para quem quer, ou precisa, de um veículo que reúne a praticidade de andar bem no asfalto ou na terra e quer se diferenciar. Não é das mais baratas, mas vem com uma boa lista de equipamentos de série e tem a vantagem de custar menos do que a Toyota Hilux.

Preço:

S10 High Country                                      R$ 160.990

Pintura metálica                                        R$      1.650

 

Notas do Emilio para o Chevrolet S10 2016

Lista de equipamentos de série – Chevrolet S10 2016

Ficha Técnica Chevrolet S10 2016

 

Fotos: Camila Camanzi, Emilio Camanzi e divulgação Chevrolet

 

2 comentários em “De terno e gravata na lama

  1. Bom Emílio sou seu fá e gostaria que você realizasse um teste sobre a nov amarok pois estou pensando em comprar uma.

Deixe seu comentário: