Francês mão de vaca

208_ALTA-21 (1980 x 1312)

A nova lista do Programa de Etiquetagem Veicular do Inmetro (Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia) traz uma novidade: o recordista agora é o novo Peugeot 208.

Criado em 2008, este é o oitavo ciclo do programa coordenado pelo Inmetro e conta com uma participação recorde de 795 modelos e versões. É um programa voluntário, mas que atualmente conta com praticamente todos os fabricantes e importadores, permitindo que 90% dos carros comercializados no país tragam a informação da eficiência de consumo e emissão de gases, tanto de poluentes quanto do efeito estufa (CO2). Os modelos participantes são, então, classificados de “A” a “E” dentro de suas categorias. Os valores de consumo e a classificação são informados nas páginas eletrônicas do Inmetro e do Conpet e nas etiquetas afixadas nos veículos. Dessa forma, o consumidor pode ficar sabendo de maneira simples e objetiva quais são os veículos mais econômicos e menos poluentes na hora de comprar o seu zero quilômetro.

Equipado com o novo motor Puretech, com três cilindros, 12 válvulas e 1,2 litro de cilindrada, que é importado da França, o modelo 2017 do 208 obteve o consumo de 10,9 km/l no ciclo de cidade e 11,7 km/l no de estrada, quando abastecido com etanol. Com gasolina, os índices foram 15,1 km/l na cidade e 16,9 km/l na estrada, números no mesmo patamar de veículos híbridos.

208_ALTA-22 (1980 x 1317)
ALTA-4904 (2145 x 1429)
ALTA-4510 (2145 x 1431)
Motor_01
ALTA-4486 (2145 x 1431)

Seguindo a nova metodologia do Inmetro, o Peugeot 208 recebeu a letra “A”, que indica a melhor eficiência e o mais baixo consumo de combustível e emissão de poluentes, nas três motorizações disponíveis: 1,2, 1,6 e 1,6 Turbo.

O novo motor de três cilindros com 1,2 litro de cilindrada da Peugeot, entrega 84 cavalos e 12,2 kgfm de torque com gasolina, e 90 cv e 12,9 kgfm com etanol. Ele é, também, 37% mais econômico na cidade em relação ao motor 1,5 de quatro cilindros da própria Peugeot, que será descontinuado.

Para comprovar a eficiência do novo motor, a marca também promoveu um teste de consumo de 1.000 quilômetros, rodando de São Paulo a Brasília, em condições normais, com apenas um tanque de combustível. O teste foi fiscalizado pelo renomado Instituto Mauá, com os próprios pilotos de testes e o tanque lacrado. Após 14 horas, com uma média horária de 85 quilômetros, o Peugeot chegou ao fim do percurso, em frente ao Congresso Nacional, com uma média superior a 20 km/l de gasolina.

Você pode ver a tabela completa do Programa de Etiquetagem Veicular do Inmetro em

http://pbeveicular.petrobras.com.br/TabelaConsumo.aspx

 

E, caso queira, ver o vídeo do teste de 1.000 km de São Paulo a Brasília, clique no link abaixo:

https://www.hightail.com/download/ZWJWK2VveDNQb0w0WjhUQw

 

Fotos e filme: divulgação Peugeot

3 comentários em “Francês mão de vaca

  1. A Peugeot está de parabéns, ajeitou o lineup brasileiro e colocou os esperados 1.2 e 1.6T. Agora só falta o irmão do meio, o 1.2T de 130cv teria grandes chances de ser um sucesso por aqui!

  2. De fato, nos testes o motor melhorou, resta saber se a qualidade do pós venda mudou, se o carro também apresentou melhoras, afinal, Peugeot é carro problemático, com uma alta desvalorização, e uma péssima resistência, bate tudo por dentro, e uma péssima assistência técnica.

Deixe seu comentário: