Deram vitamina ao Renegade 1.8

imagem-3-1853-x-1235

Uma das maiores queixas do Jeep Renegade com motor 1.8 flex, era a falta de potência de seu motor e o consumo de combustível. Para tentar dar um jeito nisso, para a linha 2017, a fábrica resolveu colocar no modelo um pacote de evoluções para render mais potência e consumir menos. Assim, o motor 1.8 EtorQ Flex ganhou o codinome de Evo, com 7 cavalos a mais de potência e, segundo o fabricante, 10% mais econômico. Outra novidade é a versão Limited, com visual exclusivo e que passa a ser a topo da gama dos modelos flex.

As modificações feitas no motor para se tornar mais eficiente foram várias. Recebeu um novo coletor de admissão variável; partida a frio sem tanque auxiliar; sistema Start&Stop; indicador de troca de marchas no quadro de instrumentos (versão com câmbio manual); pneus “verdes”; alternador inteligente; bomba de combustível inteligente; e óleos de baixo atrito para motor e transmissão. Com isso, o propulsor passou a entregar 135 cavalos e 18,7 kgfm de torque com gasolina e 139 cv e 19,3 kgfm de torque com etanol. Na versão com câmbio manual, as acelerações de 0 a 100 km/h passaram a ser de 10,5 segundos com gasolina e 9,9 com etanol, enquanto que a velocidade máxima passou para 181 e 183 km/h, respectivamente. Com câmbio automático, 0 a 100 km/h em 11,9s (gasolina) e 11,1s (etanol) e máxima de 180 km/h / 182 km/h.

 

Detalhes

O novo coletor de admissão, agora do tipo variável, também chamado de VIS (sigla inglesa para Variable Intake System – sistema de admissão variável), tem a função de fazer o motor 1.8 EtorQ Evo responder mais rapidamente em baixas rotações. Na prática, são dois coletores em um só: até 4.000 giros o ar que vai para os cilindros passa por um caminho mais longo, favorecendo o torque. Acima dessa rotação, uma aleta é acionada e faz o ar percorrer um trajeto mais curto, gerando mais potência.

Para melhorar o consumo de combustível na cidade, foi colocado também o sistema Start&Stop, que desliga o motor em paradas de semáforo ou engarrafamentos e os religa assim que se solta o pedal do freio (quando o câmbio é automático) ou a embreagem é pressionada (com a caixa manual). Ao lado do câmbio, uma tecla no console permite desligar o sistema. No Renegade, a função não se ativa com o motor frio, veículo em rampa, bateria fraca ou cinto do motorista desafivelado e a partida é dada sem ação do motorista se o motor estiver desligado por mais de três minutos ou se o ar-condicionado estiver ligado. Nesse caso, a parada do motor é limitada há um minuto para poder manter no interior a temperatura selecionada.

O sistema eletrônico de partida a frio do Renegade flex é do tipo que aquece o combustível dentro do tubo distribuidor e entra em ação sempre que a temperatura é inferior a 16°C e que há mais de 70% de etanol no tanque. Os pneus “verdes”, que diminuem a resistência de rolagem, segundo a Jeep, contribuem em até 2% na redução do consumo de combustível. Além disso, eles geram menos ruído e têm desempenho mais constante. Para manter sempre correta a pressão dos pneus, detalhe indispensável para ter uma maior economia de combustível, um software faz o monitoramento e avisa, pelo quadro de instrumentos, quando um deles está murcho.

Outro recurso que é novidade em todo Renegade com o motor 1.8 Evo, é o modo de condução Sport, acionado por meio de um botão no painel, logo acima dos comandos do ar-condicionado. Ao ser acionado, o acelerador fica mais direto e, nas versões com câmbio automático de 6 marchas, as trocas são efetuadas em rotações mais altas, focando o conjunto em performance.

Já a nova versão topo de linha, com motor 1.8 flex, chamada de Renegade Limited, tem as maiores diferenças na pintura prata na grade dianteira, capas dos retrovisores externos e barras de teto. Além disso, o teto é sempre pintado de preto e as rodas, de 18 polegadas, têm pintura exclusiva. Entre os equipamentos a mais que a versão Longitude 1.8, estão os bancos de couro; chave de presença Keyless Enter’n Go; tela de TFT de 7 polegadas, colorida e configurável no quadro de instrumentos; faróis de xenônio; sensores de faróis e de chuva; rebatimento elétrico dos retrovisores; e espelho interno eletrocrômico. Todas as outras versões também receberam novos itens de série. Veja no link “lista de equipamentos” todos os detalhes do que vem de série e o que é opcional em cada versão.

imagem-12-1805-x-1203
imagem-8-1765-x-1218
imagem-9-1805-x-1203
imagem-14-1805-x-1203
imagem-10-1805-x-1203
imagem-11-1805-x-1203
imagem-15-1805-x-1203
imagem-16-1813-x-1097
imagem-17-1805-x-1203
imagem-18-1805-x-1203

A linha 2017 do Renegade já está disponível nas concessionárias e os preços também ganharam um up-grade. Veja como ficaram:

 

– 1.8 Flex MT5                                                         R$   72.990

– Sport 1.8 Flex MT5                                               R$   79.490

– Sport 1.8 Flex AT6                                               R$   85.990

– Longitude 1.8 Flex AT6                                      R$   90.990

– Longitude (teto*) 1.8 Flex AT6                           R$   97.790

– Limited 1.8 Flex AT6                                            R$   97.990

– Limited (teto*) 1.8 Flex AT6                                R$ 104.790

– Sport 2.0 Diesel AT9 4×4                                    R$ 115.990

– Longitude 2.0 Diesel AT9 4×4                           R$ 123.490

– Trailhawk 2.0 Diesel AT9 4×4                            R$ 136.990

* versão com teto solar panorâmico Command View

imagem-3-1853-x-1235
imagem-2-1853-x-1235
imagem-1-1785-x-1190

 

Lista de equipamentos de série e opcionais: lista_de_equipamentos_jeep_renegade_2017-2

 

Fichas técnicas: fichas_tecnicas_jeep_renegade_2017

 

Fotos: divulgação FCA

Deixe seu comentário: