Countryman: nem tão MINI assim!

Por Marcelo Iglesias

 

A MINI lançou, no Brasil, a segunda geração do Countryman, utilitário-esportivo (SUV), mas que ela gosta de chamar de SAV, sigla para Sport Active Vehicle! Seja como for, o Countryman esta no imenso balaio de utilitários de tamanhos, preços e capacitações diferentes e que acabam dando um imenso nó na cabeça do consumidor.

O jipinho britânico chega maior. São 20 centímetros a mais no comprimento que lhe confere 4,30 metros, medida bem distante da proposta inicial daquele carrinho apresentado em 1959. No entanto, ele preserva as peculiaridades visuais que tornaram a marca uma das mais carismáticas do mercado. Mesmo esticado, é impossível não identificar o modelo à primeira vista. Independente do modelo, sabe-se que é um Mini.

Este slideshow necessita de JavaScript.

As formas arredondadas fazem um contraponto com o padrão convencional dos utilitários-esportivos que se impõem pelas linhas robustas, vincos e recortes agressivos. O Countryman é parrudo, mas sem exageros. Por dentro, ele mantém a arquitetura do hatch lançado em 2000, após a aquisição da marca pela BMW. Central multimídia ao centro, numa grande moldura arredondada. Um pequeno quadro de instrumentos que lembra o de uma motocicleta, chaves que remetem aos interruptores de aviões e elementos arredondados, seguem um padrão estético peculiar da família Mini.

34913869535_1d9635d85a_k
34126320834_ba773fb512_k
34127347074_2972caa89a_k
34813102076_1218692674_b
34913865525_d38ed601a1_k

Ainda no interior, o Countryman se contrapõe ao emblema no capô. O carro é grande e destaca pelo enorme volume do porta-malas. São 450 litros, garantindo muito mais espaço do que modelos de porte médio, como o Jeep Compass, que oferece 410 litros. Quatro passageiros viajam com muito espaço. O quinto, caso necessário, se espremerá um pouco, mas ainda assim viajará com dignidade.

Partindo de R$ 149.950, na versão Cooper, o Countryman oferece itens como computador de bordo, ar-condicionado digital de duas zonas, banco do motorista com ajuste elétrico e duas posições memorizáveis, sensor de ré, dentre outros itens que são padrão em veículos dessa faixa de preço. Nessa configuração, que a marca espera ter o maior volume de vendas, o Countryman vem equipado com motor turbo três cilindros 1.5 de 136 cv e 22 kgfm de torque, combinada com uma caixa automática de seis marchas, que garantem excelente desempenho e baixo consumo. No entanto, está longe de ser a melhor opção para quem busca algo além do uso citadino.

O SUV (ou SAV) ainda é oferecido na versão Cooper S, que conta com motor turbo 2.0 de 192 cv e 28 kgfm, além de câmbio automático de oito marchas. Seu preço salta para R$ 164.950. No entanto, a tração segue apenas da dianteira.

34070778184_4323033135_k
34750286472_2eb4e3fe73_k
34873332626_ed803b8af6_k
34466150100_0e03b0c0d8_b
34102889993_94cbf01bd9_h
34813103166_7b4502c134_b

Quem quiser capacitação fora de estrada (se tiver coragem de jogar o modelo no barro) é recomendável optar pelo Cooper S All4. Por R$ 189.950, ele oferece o mesmo motor e caixa, mas seu sistema de tração é capaz de gerenciar a distribuição do torque em até 80% para cada eixo, fazendo dele um veículo habilitado para rodar em pisos de baixa aderência. Ele ainda oferece suspensão com ajuste elétrico de carga, que atua junto com o seletor de condução.

P90245963_highRes_mini-cooper-s-countr
P90245932_highRes_mini-cooper-s-countr

A lista de conteúdos ainda abarca teto solar panorâmico, bancos revestidos em couro, câmera de ré, assistente de estacionamento, multimídia com tela de 8 polegadas e até mesmo um disco rígido com 20 GB de espaço para o proprietário descarregar os arquivos de sua preferência.

 

Fotos: divulgação BMW e internet

Deixe seu comentário: